quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

Projecto de Pesquisa: Município da matola/Bairro de Boquisso

1. Objecto de estudo
Método de entrevista – Serão entrevistados autoridades locais com o presente projecto de pesquisa pretende – se estudar asa mudanças climáticas globais em geral, especificamente “O efeito de estufa e seu impacto sócio – económico, no distrito da Matola, Localidade de Boquisso”.
Quanto aos aspectos económicos, irei fazer abordagem sobre a agricultura na região rural de Boquisso, e indústria na região urbana (Matola cidade). No que se refere aos aspectos sociais irei falar da saúde e educação.

2. Área de Pesquisa
Constitui um tema de actualidade enquadrado na linha de o pesquisa do departamento de geografia da faculdade de ciências sociais, denominada Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

3. Motivação para o estudo do tema
A escolha do presente tema tem a ver com a inquietação que me abala na área do ambiente e desenvolvimento sustentável, primeiro no que diz respeito ao sector de agricultura ,que constitui base da economia da maior parte da população Moçambicana em geral. É um sector que está sendo prejudicado bastante pelo efeito de estufa pois manifestam – se frequentemente fenómenos de seca que ameaçam aquele sector primordial para o bem estar da população.
Segundo, interesso – me por este tema pelo facto de contribuir para elevados níveis das águas do mar que se tem verificado no planeta, confirmadas pelas recentes ondas que invadiram a terra no bairro da costa do sol.
Segundo GRIBBIN (1988:102) ”...mais ou menos metade de CO2 produzido pelas actividades humanas , continuará a permanecer na atmosfera. Como o consumo energético está a aumentar a nível mundial, isso significa que a concentração de CO2 não só continuar a crescer, como também aumentará a um rítmico acelerado num futuro imediato”.
Como se pode depreender, o homem, com as sua actividades é o primeiro responsável da emissão do CO2, principal gás que provoca efeito de estufa. Daí a minha preocupação em reparar para o sector da educação para consciencializar os alunos a terem atitudes positivas em relação ao uso sustentável dos recursos disponíveis , nomeadamente o desflorestamento demasiado que caracteriza a prática agrícola na região de Boquisso;

Terceiro, constituiu motivação a libertação do CO2 e outros gases nocivos ou ofensivos à saúde, inconvenientes ao bem estar público e danoso à flora e fauna locais.

4. Relevância do tema
Considero o tema relevante, pois trata – se de um projecto de pesquisa aplicada que segundo MARCONI e LAKATOS ( 2002:20/1) “...como o próprio nome indica, caracteriza – se por seu interesse prático, isto é, que os resultados sejam aplicados ou utilizados, imediatamente, na solução de problemas que ocorrem na realidade”.
Trata – se de um estudo que pretende aplicar os conhecimentos teóricos sobre os perigos que a população dos espaços geográficos urbano e rural do distrito da Matola corre por causa das actividades económicas por si praticadas, tanto a curto, bem como a longo prazo, pois a estufa trás consigo consequências desastrosos no aquecimento do planeta.

5. Problematização
O estudo do efeito de estufa é muito importante porque permite compreender asa causas reais que originam o aquecimento global, seus impactos e prognosticar o futuro em geral e o da população do distrito da Matola, considerada por muitos região industrial. Aí, PEARCE (1989:15) questiona – se “...poderemos reagir e evitar o problema, ou teremos de esperar até a crise se tornar óbvia, perdendo assim hipótese de tratar esse mesmo problema de uma maneira eficaz?” Claro que é necessário pensar globalmente e agir localmente e de uma forma sustentável, portanto , para o presente projecto, são levantadas duas questões de partida:

1. Quais são os impactos sociais e económicos locais provocados pelo efeito de estufa, em ambos espaços geográficos: Rural e Urbano?

2. Será que as medidas locais desenvolvidas para mitigar os impactos negativos estão a surtir os efeitos desejados? Pois, Segundo Jim Hansen da NASA, citado por PEARCE ( 1988:09) “ está na hora de falar em vão. Devemos dizer que os índices são tão grandes que o efeito de estufa é já uma realidade”.

6. Hipóteses
A atmosfera terrestre tem vindo a alterar se continuamente, por via de aumento de concentração de gases de estufa, resultantes das actividades humanas. Esses gases, põem em equilíbrio térmico da terra e conduzir a um aumento da temperatura media global do planeta;

Portanto, para o presente projecto, avanço as seguintes hipóteses:
Ø No espaço urbano da Matola, as plantas, em consequência do S02 e de flúor, junto a grandes empreendimentos industriais, estradas e ruas de circulação intensa morem lentamente e algumas desenvolvem doenças provocando um lento crescimento das plantas.
Ø Na saúde das populações aparecem doenças pulmonares devido aos gases libertados pelos automóveis e CO2 das chaminés das indústrias como Cimentos de Moçambique.
Ø A paisagem agrária degrada- se bastante enegrecendo e corroendo os edifícios.
Ø No interior do espaço urbano verifica –se diferenças de temperaturas. “As mais elevadas temperaturas concentram –se no centro diminuindo no sentido da periferia; embora de modo não regular surgindo aqui ilhas de calor provocadas pelas actividades humanas...”
Ø A impermeabilidade do solo devido aos pavimentos na cidade.
Ø Surgem frequentemente doenças epidémicas e o numero de óbito está relacionado com as mudanças climáticas globais.
Ø A Mudança nos regimes de chuvas, poderá chover menos em determinadas regiões e mais em outras, no mesmo distrito;
Ø A agricultura será seriamente afectada, porque depende muito do clima, com a mudança deste regiões que hoje são propicias para a pratica da agricultura poderão se tornar áridas.

Das várias recomendações que poderão surgir, destacam – se as seguintes:
· Desenvolver nas regiões rurais, uma política que contemple a qualidade do ar e o efeito estufa, sem deixar de lado a competitividade económica.

· Mantenha o seu carro revisado regularmente. Melhor ainda, sempre que possível, opte pelo transporte público, vá de bicicleta ou caminhe.

· Evite manter luzes desnecessariamente ligadas e procure adquirir aparelhos que optimizem o consumo de energia.

· Crie seu próprio ecossistema e plante o maior número de árvores que puder.

· Faça aumentar em seu prato a quantidade de grãos, vegetais e frutas e diminua a de produtos de origem animal. Estes últimos requerem mais energia para serem produzidos.

7. A importância e o impacto do efeito estufa sobre a biodiversidade
Normalmente o termo efeito estufa é utilizado apenas com uma conotação negativa, indicando que algo de errado está acontecendo com a atmosfera.
No entanto, a vida na terra só é possível por causa desse efeito. Para se ter uma ideia da importância do efeito estufa, pode-se comparar a Terra e a Lua. Segundo BUCKERIDGE & AIDAR, “... Enquanto a camada de ar que envolve o nosso planeta se mantém entre extremos aproximados de -10º C e 50º C, a Lua, que até onde sabemos não possui seres vivos, apresenta extremos de -150º C a noite e 100º C na superfície exposta ao Sol. Estas diferenças existem a despeito do fato de que ambos os corpos celestes se encontrarem à mesma distância do sol. Tais diferenças existem porque a terra possui uma camada de gases capazes, em diferentes níveis, de absorver parte da radiação emitida pelo Sol.
De toda a radiação que chega à Terra, apenas a luz visível e parte das ondas de rádio são capazes de atingir a superfície da terra sem interferência, enquanto a luz ultravioleta é absorvida na estratosfera, provocando seu aquecimento.
Prosseguindo, os mesmos autores, referem que “ A energia absorvida faz com que as moléculas de certos gases vibrem, promovendo produção de calor o qual em parte acaba sendo reemitido para o espaço e em parte é responsável pela manutenção dos sistemas vivos na superfície terrestre. É fácil de ver que este é o efeito estufa benéfico, sem o qual a vida na Terra seria impossível”.Por outro lado, quando se fala do lado mau do efeito estufa quer-se dizer que o aumento artificial, e desproporcionalmente rápido na concentração de certos gases que provocam este efeito (como o CFC, óxido nítrico, ozónio e o CO2, por exemplo) vem provocando um aumento de temperatura da atmosfera. Isto pode provocar mudanças climáticas significativas para a manutenção da vida como a conhecemos.
BUCKERIDGE & AIDAR, apontam em diante que, “ Os maiores focos de diversidade biológica em nosso planeta encontram-se nas regiões costeiras e nas regiões que abrigam florestas tropicais, cobrindo cerca de 71% da superfície terrestre, Porém, efeito estufa gerado por actividade humana pode levar à perda de espécies e portanto à diminuição da biodiversidade”.
8. Objectivos da pesquisa
Para o presente trabalho predisponho- me a estudar o efeito de estufa baseando- me nos seguintes oblectivos:

Objectivos gerais
Ø Compreender o fenómeno de efeito de estufa e seu impacto para melhor a combater.
Ø Analisar o impacto do efeito de estufa no meio rural e urbano.

Objectivos específicos
Ø Descrever o fenómeno do efeito de estufa e os gases que a provocam.
Ø Caracterizar o impacto sócio- económicos que se manifesta nas regiões rural e urbana do distrito da Matola.
Ø Avaliar o grau de funcionalidade das medidas, locais e regionais adoptadas para minimizar a emissão dos gases de estufa.
Ø Propor medidas que visam promover a ética do desenvolvimento rural e urbanos sustentáveis, pois, segundo LEITE (1998:178) “é preciso uma ampla difusão de informações(...)com o máximo de eficiência para reduzir os níveis existentes actualmente entre as áreas rurais e a vida urbana”

9. Métodos de Trabalho
São vários os métodos que usarei para a materialização do presente projecto:
Ø Método de pesquisa bibliográfica – Consistirá na recolha e análise da bibliografia referente ao tema em estudo, de modo a confrontá–la com a realidade no campo.
Ø Método de observação directa – Sendo um dos mais importantes na disciplina de geografia, irei observar o quotidiano das actividades industriais praticadas pela população do distrito da Matola e daí tirar as respectivas conclusões;
Ø Método comparativo – A comparação sempre estará presente ao longo da realização do trabalho, pois o distrito da Matola possui várias regiões rurais, e Boquisso é apenas uma dessas regiões;
Ø Método descritivo – Embora a descrição dos lugares já não seja o objectivo fundamental da geografia, usarei este método, para descrever as o impacto do efeito de estufa, nas zonas urbanas e nas zonas rurais.
Ø nomeadamente o Sr. Régulo, dois (2) secretários dos bairros de, Boquisso A e B e será ainda entrevistado o Chefe do Posto da Matola – sede, e finalmente recolherei depoimentos de quatro (4) individualidades prestigiadas na vida social e económica de ambos espaços geográficos ( rural e urbano ).
Ø Método de inquéritos – Os inquéritos também serão utilizados para a recolha de informações, nas quais pretendo inquirir seis famílias das quais três localizadas junto às fábricas mais poluidoras da cidade e outras três localizadas na periferia.
Ø Método Estatístico – Usarei alguns dados estatísticos afim de compreender o impacto da do efeito de estufa.

10. Metodologia do trabalho
Consistirá no levantamento da bibliografia referente ao tema em estudo como forma de proceder a fundamentação teórica das constatações ao longo da pesquisa.
A deslocação ao campo será o segundo passo, onde irei observar as variações climáticas e as sua consequências junto às populações da cidade e do campo.
A análise dos dados recolhidos e da bibliografia proposta será uma actividade permanente. Cada informação recolhida, será matéria de registo de modo a constituir paulatinamente o relatório final.
Deslocar – me – ei à sede do Conselho Municipal da Matola e ao Posto Administrativo do Infulene para recolher mais dados para ver como a agricultura é afectada pelas mudanças climáticas de acordo com a proposta dos métodos acima referenciados.

11. Fundamentação teórica
Tem havido muitos alertas sobre os problemas provocados pelo efeito de estufa e seu impacto na sociedade, pois como já referenciei atrás, PEARCE (1989:09) citando um dos maiores cientistas em estudos do clima no planeta, apontava que “ estava na hora de deixarmos de falar em vão. Devemos dizer que os indícios são tão grandes que o efeito de estufa é já uma realidade”.

Portanto, 1988, foi o ano em que manifestaram – se fenómenos de seca que ameaçaram o sector de agricultura, os níveis de agua baixaram, as temperaturas subiram, “...o fenómeno prolongou – se por um certo período (quase duas décadas) quando tornou – se claro que a libertação do CO2 [...] pela destruição ou queima de florestas, de combustíveis fósseis, teriam consequências desastrosas...” (PEARCE, 1989:09)
Outro conceituado autor, GRIBBIN, (1988:101) aponta que “...em 1957, a concentração de CO2 na atmosfera rondava os 315 ppm mas hoje ultrapassou já os 345ppm...”e prosseguindo, atribui responsabilidades a:

- “ Desflorestação (abate em grande escala de árvores...)
- Quantificação de influências de directas de queima do carvão e do petróleo – conclui – se que cerca de metade de todo o CO2 produzido pela queima de combustíveis permanece na atmosfera” e aumentará a um rítmico acelerado num futuro imediato, portanto, o efeito de estufa consiste, basicamente, na acção do CO2 e outros gases sobre os raios infravermelhos reflectidos pela superfície da terra , reenviando – os para ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a terra parte dos raios luminosos oriundos do sol são absorvidos e transformados em calor, outros são reflectidos para o espaço.
Em poucas palavras, “ o efeito de estufa é o aquecimento global da terra, ou seja é a elevação da temperatura terrestre em virtude da presença de certos gases na atmosfera”, nomeadamente:

1. vapor de água e CO2 – Com 64% de participação
2. Metano (CH4) – Com 19%
3. Óxido Nitroso (N2O) – Com 5,7%
4. Hexafluoreto de enxofre (SF6) – Com 0,08%
5. Hidrofluorcarboneto (HFC).

Segundo DIOGO e ALEXANDRE (1994:224) “o CO2 é o mais perigoso gás de estufa ...a concentração do CO2 na atmosfera começou a aumentar no séc. XIX com a revolução industrial e o início da desflorestação”.
RODRIGUES (1999:139) aponta “...um dos efeitos do aquecimento global poderá ser a seca...e alguns lugares a vida vegetal por depender de lagos e rios para sobreviverem, mas quando a temperatura aumentar, a água pode evaporar, as colheitas serem destruídas e a fome e sede atacar as pessoas”

12. Estrutura do trabalho
O trabalho será estruturado em quatro (4) capítulos nomeadamente: O primeiro Capítulo (I) constituido pela a Introdução onde constarão aspectos ligados ao presente projecto que conduzirá à pesquisa, na qual destacarei os objectivos que nortearam a pesquisa, o problema de partida, os métodos usados para a materialização da pesquisa e outros elementos referentes ao projecto. No segundo Capítulo (2), farei abordagem em relação às características físico – geográficas da região em estudo, particularmente o clima, o relevo os solos, e as características sócio – económicas, tendo como base as características do distrito da Matola no seu todo, no terceiro Capítulo (3), falarei do impacto positivo e negativo do efeito de estufa no meio urbano e rural e para o desenvolvimento rural localidade de Boquisso.
O relatório, contemplará no quarto Capítulo (4) um conjunto de medidas e recomendações, com vista a contribuir para o desenvolvimento almejado dos habitantes da localidade de Boquisso.
Não faltará a Conclusão e a Bibliografia consultada, antes e ao longo da realização da pesquisa.

13. Cronograma
Proponho desenvolver a pesquisa segundo o Cronograma seguinte, entre os meses de julho e Novembro de 2007



o


Etapas do projecto de pesquisa

Junho


Julho

Agosto

Setembr

Outubro

Novembro












1
Elaboração do projecto
x
x










2
Reformulação do projecto


x









3

Elaboração e entrega de inquéritos aos inquiridos




x








4
Revisão da Bibliografia
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x

5

Elaboração de guiões e realização da 1ª fase das entrevistas





x

x







6
Recolha dos inquéritos




x







7

Análise dados dos inquéritos e da 1ª fase das entrevistas





x
x






8
Consulta aos Supervisores


x


x
x





9

Realização da 2ª fase de entrevista






x






10

Análise dos dados da 2ª fase das entrevistas e resumo







x
x




11
Interpretação e análise dos dados obtidos







x
x



12

Interpretação dos resultados, conclusões e redacção do esboço do relatório final









x
x


13

Redacção e dactilografia do relatório fina










x
x

14
Dactilografia e pequenas rectificações










x
x
15
Apresentação do relatório final











x





























Bibliografia Proposta

DIOGO, José M. e ALEXANDE, Fernando. Geografia 9º ano, Porto Editora, 1 ed. Porto, 1994.
GRIBBIN, John. O buraco do céu. Ameaça do homem à camada de ozono, Europa América, Portugal, 1988.
KANDEL, Robert. A evolução dos climas, Lisboa, 1990.
MARCOS S. Buckeridge & Marcos P. M. AIDARSecção de Fisiologia e Bioquímica de Plantas, Instituto de Botânica, São Paulo, 2003.
MENDONÇA, Maria Jorge Cardoso de, e GUTIERRES, MARIA Bernardete Sarmento. O efeito de estufa no sector energético Brasileiro, Rio de Janeiro, Abril, 2000.
MIDDLETON, Nick. Atlas of enviromental Issuer, Editora Longman.
MOTTA Seroa da e ARAÚJO, J. L Decomposição dos efeitos da intensidade energética no sector industrial Brasileiro. Pesquisa de Planejamento económico, Rio de Janeiro, 1989.
PEIXOTO, José Pinto. Influência do Homem no clima e no ambiente – III. Gráfica Europam, Lisboa, 1987.
_________, José Pinto. Comissão Nacional do ambiente, Lisboa, 1984.
_________, José Pinto. As variações do clima e do ambiente, Lisboa, 1987.
PEARCE, Fred. O efeito de estufa. Edições 70, Brasil, 1989.
RODRIGUES. G. S. Conceitos ecológicos aplicados à agricultura: Revista científica e rural
( Odores de confortos e rendimentos), 1999.
SANTOS, Beja. A camada de ozono: A sombrinha da terra. Instituto do ambiente, Lisboa, 1989.
http://w.w.w.paginas.terra.com.br./lazer/struck/efeitoestufa.htm
http://w.w.w.educar.sc.usp.br/licenciatura/2003/ee/referencias.htm
http://w.w.w.scielo.br/scielo.phh?hid


Autor: www.constanciotsambe@blogspot.com

Sem comentários:

Enviar um comentário